História

A presença romana no solo francês contribuiu para o nascimento da viticultura, inclusive na região do Beaujolais. As descobertas arqueológicas revelam que desde 59 aC, o consumo do vinho floresce na beira das grandes estradas que atravessam este território.

Graças à sua ótima localização, à proximidade dos rios navegáveis Saône e Ródano e ao crescimento das cidades, o Beaujolais intensificou sua atividade vitícola no século XVII.

Após tempos de guerra na época dos Senhores de Beaujeu – Bérard (o primeiro deles ficou conhecido em 957 graças à suas transações vitícolas), as sociedades baseadas na agricultura, as escolas, as soluções mecânicas e químicas, a chegada do trem e o desenvolvimento das estradas permeiam o denso caminho histórico do vinhedo do Beaujolais. Desde os anos 1600, as videiras que crescem em meio aos indispensáveis terrenos de produção de feno, atraem a burguesia de Lyon.

Graças ao direito de venda livre de impostos, os notáveis se valorizam frente aos parisienses com este vinho «clarete» de «boa região». Com a revolução temos o prelúdio das classificações que foram concretizadas pelas primeiras denominações (Appellations d' Origine Controlée), em 1936.